terça-feira, 13 de abril de 2010




ficou vazio o teu lugar ao lado das minhas certezas
__ os regressos são feitos de tanto longe
sempre que a noite cresce
desamparadamente

com água nos pulmões
talvez adormeça e repouse as mãos
como uma rosa empurrada contra a sombra
ou cegue
bruscamente
com uma alucinada visão de pássaros


foto: a. desconhecido ret da net

21 comentários:

Aníbal Raposo disse...

Cara,

"ficou vazio o teu lugar ao lado das minhas certezas..."

Adorei ler este poema.

Beijos

Maria disse...

Anoiteço-me na angústia da tua ausência. Mas ainda te espero. Vazio ficou o teu lugar junto do meu corpo. O teu cheiro permanece nos lençóis onde me deito. Mais uma vez. Porque ainda te espero.

Sabes que te vou esperar sempre.

Um beijo, Maré

Luis Eme disse...

talvez seja por isso que a vida nos oferece tantos viagens na barca da incerteza...

não faltam gaivotas no mar e em terra.

bjs Maré

Jaime A. disse...

(...) e os teus caminhos
descruzam-se;
já não regresso
e deixo a peanha vazia,
o altar escurecido,
as cinzas frias,
(de)votos já gastos;
nunca os deuses se emudeceram,
nem os acólitos sonharam
pelas coxias das assembleia,
no sorriso vago
de um fervor quási dormente
guinando-se
pelas fragas da antemanhã...

Henrique Dória disse...

Gostei muito deste poema.Beijos

Mar Arável disse...

De vez enquando é bom

respirar poe guelras

e partir

à pergunta

Mar Arável disse...

por guelras

isabel mendes ferreira disse...

nunca o vazio.
sempre a alma cheia quando aqui venho.



MARÉ ALTA.


beijo.

A.S. disse...

Gostava de preencher o vazio
ao lado das tuas certezas.
Mas eu vivo a eternidade do fugaz!
Sou meteorito. Queria ser sol...


Abraço!
AL

Graça Pires disse...

Uma visão de pássaros ao lado das tuas certezas.O vazio deixa-o para as incertezas que vêm e virão e te deixarão a ânsia de ter asas.
Belo, como sempre. Um beijo, Maré.

ausenda disse...

Permanecemos...porque a convicção é mais forte
que a ilusão do vazio!

Beijo, Maré

Virgínia do Carmo disse...

Urge reparar o vazio

Um abraço, sempre grato pelas palavras preciosas que aqui colhem os meus sentidos...

mariavento disse...

Espanto-me sempre aqui!

alice disse...

redundante, é certo, mas alucinada fico eu ao ler-te... um beijinho*

Licínia Quitério disse...

Ou abraçar o lugar vazio antes que a noite cresça.

Beijo, Maré.

maria josé quintela disse...

deve haver um qualquer equilíbrio entre os lugares vazios e as certezas...



um beijo maré. sempre a espantar.

heretico disse...

inquietante repouso das mãos . nos espinhos de "rosa empurrada contra a sombra..."

poesia de excelência. a tua...

grato

arabica disse...

Cega ao movimento contínuo dos corpos de pedra, partidos, para,
sempre, ver o negativo interno da palavra, cruzando a alma...
... isso, tu sim...

Um beijo, Maré

lobices disse...

...e nas mãos pousaram os pássaros
...e a noite cresceu amparada pelas palavras e pelos regressos

maria manuel disse...

no desamparo da noite, adormece de sonhos de pássaros que te pousam rosas na almofada. pela madrugada, abraça o vazio a teu lado e sabe que, dentro, as aves e as rosas esperam por ti...

beijinho!

Janaina Amado disse...

Achei este seu poema muito, muito bonito. É difícil expressar bem, em um poema, esse desespero. Parabéns e um abraço.