terça-feira, 10 de novembro de 2009


cartografo o teu corpo na memória intransigente das sílabas.
a mão demora-se-me sobre os lábios.
ouso tocar-te: a revelar o coração como quem lavra a terra
a afastar as aves infelizes da tua pele.
ainda não te havia pronunciado
e o deslumbramento da noite
fez-se esta tremura de silêncio
como se fosses um destino ferido
à mínima movimentação dos dedos.

ft : el paso

26 comentários:

JOSÉ RIBEIRO MARTO disse...

de silêncio e de amor !...
Abraço , Alma !

maria josé quintela disse...

inevitável um "destino ferido"

quando a rota do amor colide com a rota da dor.




boa noite maré.

isabel mendes ferreira disse...

pronto. calo-me.



.perdidamente belo.


.

saio.


.

porque sei que volto.


.beijo.

Luis Eme disse...

quem vê corpos não vê corações...

muito menos destinos...

bjs Maré

Jaime A. disse...

a geografia realiza-te na profundeza do outro, o deslumbamento esse vem à tona sempre que te visito...

Virgínia do Carmo disse...

Começo a ficar habituada a naufragar neste mar

- de espanto!...

Tal é profundidade das palavras...

Beijinho (náufrago...)

Maresias disse...

E a maré trouxe-me na crista de uma onda

para me deslumbrar nesta cartografia.

Beijo Maré Alta (como diz a Poeta)

gabriela rocha martins disse...

"fez-se esta tremura de silêncio"


tudo o que mais se diga é ousadia.........



.
um beijo

maré disse...

y

trago rosas Senhora
rosas
e silêncio.
vestido
e foice
de toda a luz que cavalga o verbo.
trago rosas Senhora
linhagem
de dias maiores onde a água é o corpo.
de renda.
tecida em céu de amanhã
destino do texto que de enigma se alimenta.
trago rosas Senhora
rosas

_______ e beijos, na ordem dos afectos.

maré disse...

Gaby

não parto das viagens inúteis,
sem a certeza que a ausência imposta, é só um nada no escuro temporal.
um dia o verbo será o lugar onde se fica à sombra de uma noite com estrelas.

________

um beijo

Mar Arável disse...

Também é possível

o amor tatuado

num silêncio que canta baixinho

isabel mendes ferreira disse...

levei para o piano.


beijos .



gratos.


e bom dia Maré.

Nilson Barcelli disse...

"ouso tocar-te: a revelar o coração como quem lavra a terra
a afastar as aves infelizes da tua pele."
Excelente poema querida amiga. Gostei imenso.
Admiro a tua sensibilidade poética, entre outros aspectos.
Beijos.

maré disse...

oh y

que dia!!!!

emociono-me até às lágrimas
que um mondego me largou
em palavras belíssimas da nosssa querida Graça
.
.
.
e vou até si e um arrepio

místico

um nervo da noite

como um relâmpago!!!

_____ deixo que as mãos sejam um afago. por não mais saber dizer

.

A Graça recebeu feliz, o seu abraço.
e digo: fiquei imensamente feliz ao abraça-la.

Pedro Branco disse...

Existe um verso cravado na pele quente. Talvez um cheiro a paixão. Talvez um olhar ausente. Talvez o toque fino da solidão. Existe um verso perdido na voz rouca. Talvez o meu canto vagabundo. Talvez as dores todas do mundo. Talvez uma melodia ainda tão pouca. Existe um verso na saudade de todos os dias. Talvez o vento na maré do desassossego. Talvez a tempestade vermelha das agonias. Talvez a história que em mim carrego. Existe um verso pintado a cores de mim. Talvez o canto do amor vadio. Talvez o fogo que me desenho um jardim. Talvez o maior calor do frio. Existe um verso em manto de janela aberta. Talvez o olhar forte ou o sorriso teu. Talvez a hora mais curta em abraços de fome incerta. Talvez tudo o que diga seja mesmo meu...

Latitudes disse...

a tua pronúncia tem
a melódica sedução
do verbo… poetizar
silenciadas...
todas as carícias
que desenharam na pele os
murmúrios quentes dos beijos…
que nos foram destinados…

isabel mendes ferreira disse...

obrigada por não se ter esquecido Maré.




:)



beijo.

hora tardia disse...

e não tenho a mais pequeno dúvida de que o momento deve ter sido de água. Puríssima.

Graça Pires disse...

"e o deslumbramento da noite
fez-se esta tremura de silêncio"
O teu silêncio habitado por muitas sedes, por muitas águas...
Obrigada, miúda, por TUDO.
Um beijo enorme.

lobices disse...

...excelente

lupussignatus disse...

arado

que

lavra

a pele



[do silêncio]



*um óptimo
fim-de-semana*

maré disse...

e há-de vir o dia em que o coração se assume como terraço
língua dilatada de desígnios
a ser canto
camoniano e navegante medidor da luz de templos e sinais
cativo e expectante como árvore nos princípios da noite.

há-de vir o dia na absolvição do jasmim
a ser campo febril de papoilas lampejo de pássaros

bom dia Isa
luminoso beijo, anel de sol

Marcelo Novaes disse...

Suave e tátil
Cartografia do
Humano Sentimento.






Beijos,








Marcelo.

Isabel disse...

______________oxalá querida Maré....oxalá...
beijos por um "texto" a.jasminado....tão belo.


muito e muito obrigada.

lobices disse...

...hoje não existem fotografias para postar...
não é que não as tenha...
tenho-as... mas não me apetece...
apenas aqui deixar umas breves palavras...
dizer apenas que hoje é Domingo, cinzento, triste, frio, chuvoso... o vento sopra forte e não sei se do sul ou se do norte...
bate nas persianas da casa em que habito e não choro apesar de existir um grito...
o grito dentro de mim que não sai...
a lágrima que não cai...
e a dor que não se esvai...
apenas subsiste, persiste neste Domingo de colorido tão triste... não existem fotografias para postar hoje...
apenas porque não quero...
só porque não sei o que quero...
e o vento sopra forte e é o único som que ecoa no meu coração...
é mais um dia a passar...
começa assim, cinzento, logo pela manhã...
olho estas teclas e não sei que fazer...
fechar o post, talvez...
carregar na tecla que manda publicar...
hoje é Domingo, triste, chuvoso, cinzento, enevoado para dele se gostar...
e eu não gosto dos dias assim, mas há-os, existem e estão dentro de mim...

maré disse...

Joaquim

não consigo ir até ao lobices deixar-lhe um sorriso e amainar esse vento de norte. colidem as rotas traçadas enm dias de calendários que chovem lágrimas.
mas há amanhã, outros dias amanhecidos à porta do sol com cheiro a alecrim ou giestas.

há sempre mais dias, dentro de todos os dias de névoa também se descobre o caminho da luz

_______ um beijo