domingo, 18 de outubro de 2009




segreda-me
com a música dos dedos
a transparência do vento
quando embala os instantes do amor.
deixa que a noite respire com mãos de lua
a curva do meu ventre.

e trémulo
invade o meu corpo
com as febres de Outono.


ft : erg chebby

30 comentários:

isabel mendes ferreira disse...

febre de dançar sobre o chão ou sobre as águas?


aqui respira-se a curva transparente do verbo.


bom domingo Maré...
abraço...!!!!

Luis Eme disse...

uma palavra diz tudo:

Lindo.

bjs Maré

maré disse...

Isa

( )

.
.
.

e eu que sou vínculo de terra,
raso com asas de vento o coração aceso das águas
às vezes túmulo de luz onde celebro a vida
outras, barco de caronte sem possível moeda de troca.

______

beijo MAIOR
de luz

Graça Pires disse...

O outono, com o delírio do mel e do mosto, a pulsar nas palavras. Nas tuas. Um grande beijo e aquele abraço ainda adiado...

maria josé quintela disse...

com esta música qualquer outono é um salão de baile.


muito bonito maré.




beijo.

Henrique Dória disse...

Tua é a ternura que dói.Beijos

Maria disse...

fala-me baixinho
com o teu sorriso
e diz-me dos momentos de ternura
ama-me de mansinho
com a ponta dos teus dedos
e sente-me no ondear do teu corpo
abraça-me para sempre
com o teu olhar
e estremece comigo o verbo amar

Beijo, Maré

Pedro Branco disse...

Volte-face em mim esta estação. Nas cores do abandono que nasce num outro sangue. Perco-me no desejo de mantos e abraços soltos na noite, reflexos de um brilho qualquer que dos nossos olhos fogem em direcção ao infinito. Porque do tempo somos feitos. Porque do espaço somos pintados. Assim. Em volte-faces eternos de paixão.

Arabica disse...

Talvez o Outono se abandone nas tuas palavras e se esqueça de partir, enfeitiçado.

Beijinhos, boa semana.

isabel mendes ferreira disse...

bom dia M.

(obrigada)


.


beijo.s.

lobices disse...

...excelente

gabriela rocha martins disse...

invade.me uma dulcíssima nostalgia
quando reencontro este febril outono

( nostalgia essa que não tem nada de deprimente .antes pelo contrário )



.
um beijo

Mar Arável disse...

Dançar no chão

mesmo que não sejam marés

mas que sejam desgrenhadas

as danças

maré disse...

à Gabriela

se passar por aqui
e porque desde algum tempo não consigo aceder ao canto chão

tenho saudade da porta que se abria quando o dia já gastou toda a luz e é preciso olhar os residuos
da luz

.

um beijo

maré disse...

Isa

eu é que agradeço, sempre!

o poço e o eco

guardião da febre e espelho de margens

ou trilho

constante e navegável

lençol que se faz sombra de mar
e abriga golpes de vento

_____

de pétalas
um beijo

Chris disse...

Este respirar entre marés e palavras de espanto...
Bjs
Chris

Virgínia do Carmo disse...

Muito bonito, Maré... eu não saberia dizer tão bem este segredo...
Beijinho!

isabel mendes ferreira disse...

faço deste "eco" o poço. de águas límpidas.

:)


beijo. Matinalíssimo.

antonior disse...

A coreografia dos sentimentos e da sua materialização...

Beijinhos

P.S. - Respondi aos comentários feitos ao meu post "A PROPÓSITO DE UMA IGUANA", como de costume, na mesma página em que foram colocados.

Licínia Quitério disse...

A música do vento, a curva do ventre, a febre, a febre, o outono como tu o dizes...sabiamente.

Um beijo.

gabriela rocha martins disse...

insana esta maré de Outono
,todavia


,boníssimo o cheiro a maré vaza

gabriela rocha martins disse...

não consegues aceder ao cante.chão?
estranho......
( ainda ninguém mais se queixou! )


.
outro beijo ,maré

Nilson Barcelli disse...

"...a música dos dedos
a transparência do vento..."
Querida amiga, o teu poema é muito belo. Gostei imenso.
Bom fim de semana.
Beijos.

JOSÉ RIBEIRO MARTO disse...

o sussuro , a dança , a fogo !

Enorme poema!


_________ JRMARTO

ausenda disse...

febril é este meu chão onde as palavras me ardem!

Encanto...

Um beijo

Vieira Calado disse...

Olá, caríssima!

Obrigado pelo seu interesse no meu livro.

Para dizer-lhe que também não sei o seu endereço.

Não se preocupe com o pagamento.

Só depois de receber o livro, tratamos disso, tá bem?

Beijinho

lupussignatus disse...

dulcíssimos

dedos







*bom
fim-de-semana*

maré disse...

Bom dia Gaby

Consigo entrar em "cante chão" e imediatamente assinala erro, não me deixando sequer correr a págína.

Respiro profundamente e volto às tentativas, goradas até agora, a não admitir que a máquina leve a melhor...
mas ela vence-me, descaradamente :(

um beijo imensíssimo
a norte da esperança

Zé Afonso disse...

Ventre de encantadoras palavras que nos embalam os ouvidos e alegram os olhos...bela sintonia Maré

Jaime A. disse...

o amor continua a escrever-se sorrateira e magnificamente.
Parabéns pelo estilo e pela graça da/na escrita