sábado, 10 de janeiro de 2009

__________________

Foto : natalija kundzinovic

9 comentários:

Luís disse...

letras, tantas, com poesia e com o poder de decifrar... também metáforas...

bjs Maré

Graça Pires disse...

"a vida é-me hoje um sítio de silêncio
branca como a paisagem do agora".
O silêncio a escorrer pelas palavras que têm a idade dos teus olhos. O silêncio a abrigar-se na lúcida recriação da noite.
Belíssimo, Maré. Um grande beijo.

mariavento disse...

Belíssima a tua escrita.
Bj

O Profeta disse...

Um abrigo feito de pedras
Uma porta sem entrada
Uma janela fugida à luz
Aprisiona alma desencontrada

Um tecto feito de estrelas
A Lua brinca com fios de luz
Um cometa passou rasante
Um coração o outro seduz



Bom domingo


Mágico beijo

mateo disse...

De imagem em imagem, de metáfora em metáfora... num tempo de maré vazia, sem espanto nem sol.
Bjs

Lugar do Olhar disse...

Lindo... lindo!

Renascer
nos dias de agora
e voltar
a reescrever
todas as palavras...!

Um beijo, Maré

Vieira Calado disse...

Olá, amiga!

Em primeiro lugar para dizer-lhe que este seu poema é muito bom.

;)

Depois: não consigo enviar-lhe mail.
E então, vai mesmo aqui.
Têm-me enviado a retribuição por cheque ou por transferência bancária. É mais fácil para os dois.
Mas, se preferir, então que seja à cobrança. Agradecia me dissesse.
As minhas coordenadas:

NIB
0035 0387 00004737000.29
de José Vieira Calado
e é na C.G.D de Lagos.

A minha morada é:
José Vieira Calado
Rua do Compromisso Marítimo, Lote B14 - 1º frente
860-564 Lagos
Desde já obrigado.

Beijoca

Arabica disse...

Maré,

escrita sublime, de quem perdeu a capacidade de espanto e que mesmo sem espelhos de escuras névoas, ganhou a da metamorfose da vida em palavras...

Não fosse ela uma metáfora.


Pode :)

Sempre que quiser.


Um abraço.

Mar Arável disse...

As palavras sãso seres vivos

é preciso não desistir

nem nos silêncios

das marés sussurrantes